12 de setembro de 2017

Doces Silêncios - Deborah Smith

Livro: Doces Silêncios
(Sweet Hush)
Autor (a): Deborah Smith
Número de Páginas: 346
Editora: Porto - Portugal 

Sinopse: Após a morte do marido num trágico acidente, Hush McGillen não se deixou abater. Transformou os pomares de maçãs da família num negócio de sucesso e o filho, Davis, está a estudar na conceituada Universidade de Harvard. Contudo, este idílico paraíso cai por terra quando o filho aparece com uma companhia inesperada: a filha do Presidente dos Estados Unidos. De um momento para o outro, Hush tem de lidar com os Serviços Secretos, a comunicação social e, pior do que tudo, os novos sogros do filho - e a primeira-dama não está nada satisfeita.
Com o agente federal Nick Jakobek, enviado pela família presidencial para resgatar a filha, a trazer ainda mais caos à sua vida, Hush vê-se perante a necessidade de fazer todos os possíveis para salvar o seu negócio, a sua reputação e a sua família - pois o seu passado não é exatamente o conto de fadas que todos julgam.

RESENHA por Luciana Corrêa da Silva.

Olá, tudo bem?

A resenha de hoje é de uma edição portuguesa, da Porto Editora, chamada Doces Silêncios e escrita por Deborah Smith, uma autora que eu já apresentei a vocês em resenhas anteriores.

Estamos em meio aos mais belos pomares, que são cheios de história, magia e sabor adocicado tentador. Nossa mocinha é apenas uma menina, mas possui a força do legado das mulheres Hush, aquelas que deram seu sangue e suor para construir um lar e viver da colheira das mais gostosas maçãs, ao pé das inóspitas montanhas, no paraíso selvagem chamado Chocinaw, na Geórgia.

Hush traz no sangue o legado da família, mas com a morte do pai as coisas vão mesmo muito mal. Sua mãe trabalha (muito!) e mal consegue dar comida aos seus filhos pequenos, quanto mais manter uma grande quinta produtora de maçãs. Então a menina Hush McGillen decide colocar uma pequena banquinha para vender aos turistas que param para tirar fotos do lindo cenário. Assim, a menina prospera e começa a ganhar dinheiro, até que sua mãe falece e seus sonhos ficam em apuros. Nenhum adulto em sã consciência deixaria uma menina de dezesseis anos tocar um negócio grande e próspero sem que alguém supervisione, mas Hush consegue convencê-los com a ajuda de seu melhor amigo Davy Thackery.

A menina prospera com garra e sacrifício, mas erra ao descumprir a promessa que deu à mãe de jamais se envolver com Davy. Ela acaba engravidando e eles casam, formando um exemplo para o local, onde as pessoas se inspiram no amor do casal. Mas as coisas nunca são como parecem, não é mesmo?

O tempo passa e Hush fica viúva. Mesmo muito jovem já possui um império de negócios, que não a tornam rica, mas fazem dela um exemplo e força e pujança. A jovem mulher emprega muita gente e faz movimentar uma máquina que beneficia toda a cidade. Hush, mesmo muito jovem tem um nome a zelar e para que isso seja mesmo real, ela esconde muita coisa… Seu filho é um gênio, um rapaz maravilhoso que estuda em Harward e faz o coração da mãe orgulhosa palpitar de felicidade. Até o dia em que ele aparece em casa, fugido, com a filha do presidente americano escondida no banco traseiro.

A casa cai, o sucesso dos negócios estão ameaçados e Hush fica maluca ao ter de lidar com os truculentos soldados do serviço secreto que seguem a filha do Presidente, Eddie, por onde ela vai. A primeira-dama não está nada satisfeita com a fuga da filha e aciona o agente federal Nick Jakobek, seu sobrinho, para que ele resgate sua filha. O caos fica ainda maior na quinta familiar de Hush, que precisa salvar a produção e manter intacta sua reputação.

Hush, mesmo sem saída, administra tudo da melhor forma possível, mas aquele ex-militar, soturno e mal-encarado, mexe com ela de uma forma incrível. Ela é atingida como nunca antes aconteceu.

Eu só tenho elogios para esse livro. Amei a leitura, amei a narrativa fácil, cheia de dores e segredos, mas amei ainda mais os personagens incríveis e fortes. A autora dá a dose certa de realidade e de amor. Nick é um homem muito sofrido, que viu e viveu coisas que nenhuma criança merece e, quando jovem estabelecido e redimido, teve de matar para não ver quem ele ama sofrer. Sua história é apresentada de forma muito bonita e bem escrita, inserida juntamente da história da Hush, que já vinha desde o início. Conhecemos também a história de Al e Edwina, o casal presidente e tudo é tão bem amarrado que não há hipótese para não classificar esse livro com cinco estrelas.

Que encantador, que mágico… que incrivelmente inspirador. Deborah firmou-se, definitivamente, como uma das minhas autoras favoritas e ainda considerei essa sua melhor obra até agora. Quero ler tudo dela, amo a forma como nos conta essas histórias ricas e cheias de significado, recheadas por risadas e o calor do verdadeiro amor.

Obrigada por ler e até a próxima.

*espero que alguma editora se atente para o que perde ao não publicar essa autora por aí…

Beijinhos.

Silêncio. Ambas sustivemos a respiração perante a enormidade do que estávamos a fazer. A primeira-dama dos Estados Unidos da América e a primeira-dama do Condado de Chocinaw tinham descido – e logo na primeira conversa – ao nível de iniciadas numa gangue de rua.

Outras capas:

  



4 comentários

  1. Oi, amiga!
    Adorei a resenha. Pelo modo que escreveste parece os livros da Lucinda Riley. Estou torcendo para que alguma editora publique aqui.
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kati, obrigada. Eu não entendo porquê é que essa mulher ainda não foi publicada aí, é mesmo muito bom. Beijinho <3

      Excluir
  2. Lu, quero ler Deborah Smith também rsrs. Você nos entrega uma resenha melhor que a outra dos livros dela e fico babando <3 Os personagens parecem ter bastante história, tanto que tô até pensando se 346 páginas é mesmo suficiente, mas imagino que isso seja ótimo, pois a história mantém um bom ritmo. O filho dela é super dotado, quantos anos tem?
    Amei a resenha, quero muito, muito, muito que uma editora traga os livros dela pra ser publicados por aqui *__*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lili, ela é ótima mesmo e eu tô a cada livro mais apaixonada... A história é mesmo ótima e eu ri, chorei, me desesperei... tudo junto kkkkk O filho dela é novinho, recém entrou pra faculdade e ela foi mãe super nova, então por isso essa forma de contar tudo...
      Também espero que publiquem ela aí, estão a perder tempo. Obrigada pelo comentário, amei. beijoo

      Excluir